O mito do Passe Livre em São Paulo – Ônibus

Image

Muito se fala em Passe Livre desde as primeiras manifestações pelo aumento de R$0,20 no preço das passagens de ônibus e metrô, que no Município de São Paulo/SP chegou a R$3,20, recuando aos R$3,00 originais após a pressão das ruas. Porém, quais os efeitos dessa diminuição? Ora, alguém tem que pagar a conta, direta ou indiretamente. Começa a queda do mito do Passe Livre e da gratuidade do transporte. Veja o lucro pode parecer alto, mas o Município subsidia R$1,5 bi ao ano, logo, se não fosse por isso as empresas não teriam lucro algum no modelo atual.

Se você reparar no gráfico montado pela Folha de São Paulo em 30/06/2013 verá que há dois subsídios pagos às empresas de ônibus. O primeiro é de R$1,02 e é pago diretamente por todos os usuários do transporte coletivo que não possuem o benefício da meia-passagem e “gratuidade” justamente para pagar a conta de quem possui tal benefício, ou seja, para que estudantes paguem meia-passagem e idosos com mais de 60 anos não paguem nada é necessário que os demais paguem R$1,02 a mais.

O outro subsídio é de R$1,13 e pago pela Prefeitura de São Paulo por cada cidadão que utiliza os ônibus. Sabendo que esses R$1,13 são pagos com o dinheiro dos nossos impostos, mesmo quem acha que não paga nada (idoso) ou paga meia (estudantes) estão pagando R$1,13 por cada passageiro (pagantes de inteira, de meia e não pagantes) assim como quem não usa também paga, pois contribui com impostos.

Ou seja, quem paga inteira, na verdade está pagando R$4,13, sendo R$1,98 para a empresa de ônibus pelo serviço, mais R$1,02 para subsidiar quem não paga ou paga meia-passagem e mais R$1,13 cada um através de impostos arrecadados, sendo este último dividido por todos, os que usam e os que não usam, através dos impostos.

Sabendo que os que possuem benefícios são responsáveis por um terço do total, então, podemos dizer que se não houvesse gratuidade, nem meia-passagem, esse um terço seria diluído diretamente entre todos.

O subsídio total custaria em R$5,5 bilhões para a cidade de São Paulo ao ano, sendo que o orçamento disponível dentro dos R$42 bilhões médios que recebe ao ano é de R$9 bilhões. O custo com o sistema representaria 13.1% do orçamento anual só nessa área.

Fora isso, alguém teria que pagar pela diferença e seríamos nós. Não haveria gratuidade, como não há e nenhum serviço público gratuito, pois é mantido com o dinheiro de nossos impostos. Para sanar essa diferença as principais alternativas apresentadas pelo IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – ao Governo consistem no aumento do IPTU para as grandes propriedades, no aumento substancial do IPVA e na substituição de 20% do quadro funcional das empresas (troca de cobradores por pontos de bilhetagem eletrônica).

Ao perceber que geraria aumento no desemprego o IPEA diz que seria necessária a troca gradual para garantir a realocação desses trabalhadores. Na prática, você aumenta o seu custo de manutenção colocando esses pontos de bilhetagem eletrônica e soma ao custo funcional atual, pois não haverá demissão só realocação de funcionários.

Sabendo também que o custo com diesel e lubrificante dessas empresas é de 20,9%, sendo a maioria com o combustível, é possível abaixar as tarifas do transporte público através da eliminação dos impostos sobre o combustível que são de 41%. Teremos uma redução média de 8% no custo dessas empresas.

Eliminando também o IR, a Contribuição Social e o INSS patronal temos mais 4.4% de economia (olhe no gráfico). São 12.4% até agora. O fim das licitações permitirá a entrada de diversas empresas no setor para prestarem variados serviços, para tanto, precisamos também acabar com a intervenção no Município na decisão de preços, deixando as empresas competirem entre si pelos clientes, o que acarreta melhores serviços e menores preços.

Com mais empresas no setor é possível iniciar um programa de realocação dos cobradores em novas funções nessas empresas que precisarão de funcionários experientes, trocando-os agora sim pela bilhetagem eletrônica que terá menor custo. São 32.4% de economia até agora (ignorando os custos de manutenção da bilhetagem, que são inferiores a 2% ao ano).

Nesse cenário temos 32.4% de diminuição direta nos custos que pode ser repassada aos preços. Caindo de R$4,13 para R$2,79, porém isso é em um cenário onde ainda há subsídios e benefícios como a meia-passagem de estudantes e gratuidade aos idosos acima de 60 anos. Nesse cenário pagaremos R$2,79 menos o R$1,13 = R$1,66 (mantendo o valor atual do subsídio apesar do menor preço do ônibus).

Nesse R$1,56 estariam embutidos os benefícios de estudantes e idosos. Agora, digamos que assumamos os subsídios da Prefeitura integralmente e dividamos todos os custos com os estudantes e idosos acima de 60 anos que representam um terço do total de usuários. Logo, teríamos a diminuição do valor por cada um que era de R$1,66, por causa dessa redistribuição, somados ao R$1.13 restantes. Resultado, pagaríamos menos dos que os R$2,79.

Claro que essa é uma situação onde as empresas repassariam a economia diretamente aos passageiros, mas elas fariam isso por quê? E

Com o fim das licitações, da burocracia e dos impostos no setor, como já falei, várias empresas prestariam o serviço, concorrendo entre si e forçando umas as outras a possuírem preços menores e melhor qualidade.

No cenário atual as empresas tem seu lucro garantido pelos subsídios e seus clientes garantidos, logo, mesmo que diminua o número de passageiros, a Prefeitura aumenta o subsídio e recompensa as empresa. Nesse cenário qual o estímulo para investir em qualidade e preço competitivo?

Do mesmo jeito que o Governo dá de um lado, ele retira do outro com os benefícios da meia-passagem para estudantes e gratuidade para idosos acima de 60 anos, ambos obrigatórios, cobra impostos absurdos e impede a livre concorrência. Também não consegue dar “Passe Livre”, pois o orçamento não permite (até a cidade modelo desse sistema na Bélgica – Hasselt – anunciou o fim do Passe Livre por questões financeiras e ela é consideravelmente menor que São Paulo).

O Passe Livre é um mito e sucateará o transporte coletivo, além de proporcionar uma desculpa para o aumento da já absurda carga tributária. Agora, a livre concorrência, o corte de impostos e fim de benefícios a minorias no setor beneficiarão a todos, principalmente os mais pobres que hoje não conseguem utilizar o serviço.

Por Roberto Lacerda Barricelli

Fontes:

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1618

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,custo-mensal-de-cada-onibus-em-sp-e-de-r-32-mil,1042862,0.htm

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,por-que-o-subsidio-de-onibus-e-tao-alto-na-cidade,1035060,0.htm

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/sp/2013-09-21/assembleia-de-sp-aprova-passe-livre-aos-60.html

http://www.nossasaopaulo.org.br/portal/node/47028

http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/sp/2013-06-19/haddad-e-alckmin-anunciam-reducao-no-preco-da-passagem-em-sao-paulo.html

http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/tarifa-zero-nos-onibus-custaria-r-5-5-bilhoes-a-sao-paulo?page=2

http://noticias.terra.com.br/brasil/ipea-sugere-mais-impostos-para-bancar-reducao-nas-tarifas-de-transporte,6a56f7d1d07af310VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

http://www.saocarlosagora.com.br/brasil/noticia/2013/03/08/39493/brasileiro-paga-53-de-imposto-no-valor-da-gasolina/

Gostou desse texto? Há muito mais em meu livro: “Estatismo PTralha: O Estado Intervencionista Brasileiro”. Você pode adquirir no link do Clube de Autores:

https://clubedeautores.com.br/book/150972–ESTATISMO_PTRALHA__O_ESTADO_INTERVENCIONISTA_BRASILEIRO

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Uncategorized

2 Respostas para “O mito do Passe Livre em São Paulo – Ônibus

  1. Pingback: IPTU médio na cidade de São Paulo equivale a 85 viagens pagas de ônibus – Instituto Liberal

  2. Pingback: Transporte individual e coletivo urbano não deve ser “público” | Blog do Roberto Lacerda Barricelli

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s