Brasil – O sucateamento de uma nação (I)

Militantesemcerebro

Como ancap sou a favor da secessão individual, ou seja, “porcamente explicando”, que cada um seja sua própria nação se assim quiser. Contudo, o que temos atualmente é um país chamado Brasil, do qual todos somos obrigados a fazer parte. Bem, a partir do momento que há essa obrigação e que não há possibilidade de secessão, ou sequer uma perspectiva de longo prazo, precisamos pelo menos viver em uma nação minimamente digna.

Infelizmente o Brasil é o contrário do que podemos chamar de “nação digna”, pois os valores essenciais para a convivência civilizada foram esquecidos e substituídos por arremedos de valores.

No Brasil atual a ética e a moral estão de tal maneira distorcidas que indivíduos virão heróis por fazerem nada além de suas estritas obrigações, como Joaquim Barbosa ao mandar criminosos para a cadeia. Ora, essa é uma das obrigações dele como juiz e nada fez além de cumpri-la. Porém, no país da malandragem e onde os conchavos substituíram o trabalho honesto e a integridade moral, um ato de responsabilidade pode até parecer de extrema coragem.

Vemos o sucateamento da moral e da ética, por exemplo, em discursos contraditórios do dia a dia, como: “você viu que X achou um celular e devolveu para o dono?”, “Nossa, quanta honestidade, está certo, tem que devolver…”, “Você devolveria?”, “Eu não, pois achado não é roubado”. É o império da hipocrisia.

A honestidade causa espanto, enquanto os crimes não chocam mais. A desonestidade e a malandragem viraram parte comum do cotidiano do brasileiro. Já admitimos abertamente votar em candidatos “menos piores”, ou até “que roubam menos”, pois junto com esse sucateamento da nação, vem a desesperança e até certo comodismo, ou preguiça de mudar algo. “Deixa como está. Não está bom, mas não está tão ruim”.

Quem busca ter uma vida honesta é considerado “trouxa” no Brasil. Fez o trabalho da escola, ou universidade, corretamente e sem “encheção de lingüiça”, nem o copia e cola da internet? Trouxa! Devolveu o dinheiro que viu cair do bolso de outra pessoa? Trouxa! Claro, que esse “trouxa” é sempre acompanhado de uma expressão de espanto pela “boa ação”, que não passa de cumprir com sua obrigação moral e/ou ética.

Não tentar levar vantagem sobre tudo e todos causa espanto e gera desconfiança, afinal, “o que você está querendo sendo tão honesto assim?”. Houve uma flagrante inversão, onde a desconfiança recai sobre o indivíduo honesto, enquanto o desonesto é até encorajado.

Estamos produzindo falsos heróis, baseados no espanto e aversão à responsabilidade, honestidade e integridade, causados pela carência de valores concretos e não relativizados de açodo com o que for conveniente, mas também por um projeto de sucateamento desses valores, que iniciou há mais de 60 anos, no Brasil, e atualmente está em seu auge.

Setores fundamentais da sociedade como educação, cultura, acesso a informação, jornalismo e mídia, saúde, política, etc, passaram (e ainda passam) por um processo de domínio e aparelhamento ideológico, advindo de um projeto de doutrinação em ampla escala, consideravelmente atuante desde os anos 50 do século XX, que tem por objetivo coletivizar e alienar as consciências individuais, destruir o próprio indivíduo e sucatear os valores éticos, morais e cívicos, transformando os cidadãos em uma grande massa burra, distorcida e que acha Valeska Popozuda uma grande pensadora moderna, enquanto chama Mises, Hayek, Hoppe, J. O. de Meira Penna e tantos outros, de “velhos”, “coxinhas reacionários” e “elitistas”; que chamam MC Gui de gênio e Beethoven de “chato”, “ultrapassado” e “coisa de burguês, pois povão gosta é de funk”.

Nada contra os gostos individuais, pois cada um tem o direito à individualidade. Contudo, não posso deixar de observar o sucateamento promovido pelo projeto citado e que está diretamente relacionado com a disseminação desses gostos individuais como parâmetros do “bom gosto”, da “modernidade” e da construção/definição de uma cultura nacional e de valores distorcidos, seletivos e contraditórios.

Falarei deste projeto de doutrinação, alienação e destruição da sociedade civil no próximo artigo desta série.

Roberto Lacerda Barricelli é jornalista

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Brasil – O sucateamento de uma nação (I)

  1. julio cesar schetino de almeida

    É realmente triste e preocupante que a maioria da população de bem e os ditos “intelectuais” desse país não atenta, nem se concientiza e preocupa com esse plano comuna socialista de permanência no poder sem escrúpulos, ética e caráter. A pátria está em profundo sono em berço esplêndico correndo o risco de ter suas cores verde amarelo azul e branco, subistituidos pelo vermelho comunista, foice e martelo, onde todos trabalham e vivem numa miséria profunda para ostentar e sustentar o ineficiente e faminto ESTADO.!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s