Brasil – Índios, Infanticídio e os Antropólogos da morte

indioinfanticídio

Nossos índios são tão brasileiros quanto qualquer um de nós. Qual o motivo então de mantê-los isolados da civilização? Preservar a cultura integralmente? A qual custo?

A FUNAI e diversos antropólogos da morte se recusam a falar, ignoram, ou até negam a existência da “cultura” do infanticídio nem tribos indígenas no Brasil, mas a realidade é outra. Diversas tribos ainda praticam o infanticídio e os critérios vão de crianças deficientes, ou doentes até gêmeos (considerados como sinal de maldição) e filhos de mães solteiras.

Os antropólogos da morte (pois não há outro nome que possa dar a quem defende o assassinato) e multiculturalistas defendem a prática taxando-a como “apenas um traço cultural”, algo que não devemos interferir para manter a intocabilidade da cultura indígena. Muitos até negam que seja infanticídio, dizendo que não passa de mais um costume, mas esses discursos infelizes não mudam a natureza da prática. Assassinar crianças “indesejadas” é infanticídio independente da motivação, cultura, etc.

Há alguns documentários que tratam primorosamente do assunto, um do jornalista australiano Paul Raffaele e outro da jornalista brasileira (indígena) Sandra Terena. Ambos expõem o descaso com o assunto no Brasil; a omissão da própria FUNAI e das autoridades em contraste com iniciativas privadas de cidadãos preocupados e conscientes. Como de costume, o Estado não resolve nada enquanto a livre iniciativa obtém avanços dos quais o Estado tenta de apoderar como se fosse ele o “grande herói”.

Até caciques fogem de suas tribos para evitar o assassinato de seus filhos, como mostra o documentário de Sandra Terena. Outro ponto muito importante desse documentário é quando a jornalista faz os seguintes questionamentos: “Há quem diga que essa prática faz parte da nossa cultura e deve ser mantida, mas desde quando uma cultura pára no tempo? Por que a gente tem que continuar com uma prática que nos faz sofrer? Uma prática que nos deixa mal e que causa remorso! Vida não combina com morte! Será que para manter a nossa cultura viva, precisamos matar nossas crianças?”.

Exatamente, Sandra! É isso que desejam os antropólogos da morte e os supostos defensores do multiculturalismo. Querem que os índios mantenham seus costumes intocáveis mesmo que isso causa dor, sofrimento, infanticídio e a morte evitável de centenas de índios, pois não se pode dizer a eles que devem ferver a água antes de consumi-la, ora, isso agrediria seus costumes e cultura. Devemos deixar que a cultura pare no tempo e os índios morram de diarréia e doenças facilmente evitáveis e tratáveis, para atender aos anseios dos antropólogos da morte e aos multiculturalistas.

Uma mentalidade obscura e egoísta. A verdade é que esses idiotas úteis querem manter uma alegoria (mais uma) para contar em seu currículo e pousar de monopolistas das virtudes. “Veja só como nós não agredimos a cultura de nossos indígenas. Pobres e oprimidos, nós os deixamos isolados da civilização, morrendo de doenças já erradicadas por nós, praticando o infanticídio e na merda. Tudo para mostrarmos como somos virtuosos e defensores das minorias oprimidas pelo homem branco ocidental malvadão e capitalista”.

A necessidade de pousar como virtuoso, chamar a atenção, sentir-se um grande herói é tão grande, o narcisismo é tão descontrolado que para alimentarem o próprio ego os antropólogos da morte e os multiculturalistas são capazes de qualquer coisa. Até de defender o assassinato de crianças indefesas que não pediram para nascer, mas que tem o direito à vida. Todo ser humano tem o direito à vida e isso deve ser considerado um bem maior que qualquer cultura.

Os índios podem manter o que há de bom em suas culturas como danças, culinária, ervas medicinais e canções, por exemplo, mas porque devem ser obrigados e/ou convencidos a manterem o que há de ruim? Caramba, as culturas estão em constante transformação. Quando o homem iniciou sua jornada na Terra ele não tinha os conceitos morais e éticos de hoje, mas outros que permitiam infanticídio, assassinato indiscriminado, estupros, etc. A sociedade ocidental pode não ser perfeita, como nenhuma é, porém, graças a ela temos conceitos morais e éticos que nos inibem e até impedem de estuprar, matar, agredir, etc. Obviamente há transgressores, mas esses não devem ser encorajados (como fazem os “defensores” dos Direitos Humanos) e essa noção também veio com a transformação/evolução de nossa cultura.

Se nos damos o direito de evoluir e transformar nossa cultura, então, não podemos tirar esse mesmo direito dos índios. Ou eles devem manter a cultura intocável para nos agradarem? Não devemos sacrificar os indivíduos em nome do congelamento de uma cultura. Deixemos os índios participarem da civilização e adquirirem conceitos que nos são preciosos como o que nos diz que o infanticídio é monstruoso. Os deixemos aprender com a civilização práticas que lhe serão úteis como ferver a água antes de consumir, higiene e técnicas sanitárias que evitam doenças. Os deixemos terem acesso as mesmas conquistas que nós, principalmente na área médica, tecnológica, econômica e social.

Entendo que o Brasil não é um país modelo, longe disso, temos intervencionismo diário até nas regras que devemos adotar nas partidas de sinucas com nossos amigos e como devemos ou não gastar o nosso dinheiro. Contudo, os índios não podem ser isolados de nossa sociedade, nem mesmo sobre o ridículo pretexto de preservação da cultura indígena.

O egoísmo de alguns mantém no atraso a cultura indígena, ao invés de deixá-la evoluir e se transformar como ocorreu com todas as culturas ao longo da história, algumas sofreram alterações radicais, outras nem tanto. Podemos condenar muitas práticas e ideologias de nossa cultura e de outras como o terrorismo, comunismo, nazismo, fascismo, tratamento subumano as mulheres, gays, negros, cristão e outros grupos ao redor do mundo, etc. Mas não podemos ignorar as conquistas como a medicina moderna com seus equipamentos, procedimentos, pesquisas e medicamentos que salvam milhões de vidas anualmente, ou os avanços tecnológicos que nos permitiram a obtenção da vida moderna, na comunicação, convívio social, segurança, alimentação, etc.

Não podemos negar nossas conquistas aos índios e (para piorar) fazê-los manter suas derrotas, ou seja, tudo que os faz sofrer, adoecer, viver mal, sentir raiva, ódio e desespero, fugir e terem mortes evitáveis. Tudo para alimentar o ego e dizer que “respeitamos e defendemos nossos índios”? Onde está o respeito se lhes negamos o convívio conosco e os tratamos como incapazes que devem se manter congelados no tempo? Eles precisam de proteção é contra esses antropólogos da morte e multiculturalistas.

Isso fica claro quando um dos diversos índios do documentário de Sandra Terena diz: “Nós temos muitos índios que recebem muita influência dos antropólogos e, como tais, eles acham que os costumes são intocáveis”. Isso incluí (também) o infanticídio, o consumo de água suja sem ferver, a recusa a qualquer contato com a medicina moderna e a inexistência de práticas sanitárias.

Na sequência aparece outro índio, que teve um filho assassinado por ser gêmeo (algumas tribos matam um e outras matam os dois), e diz: “Hoje meu pensamento não é mais como o deles, os antropólogos, que já estudou a cultura do índio. Eles falam: ‘Esses índios, deixa eles viverem assim. Essa é a cultura deles’. Não é! Porque a cultura não pára! Ela anda. O pensamento também anda igual ao da cultura. Por isso que hoje, a gente (índios que resistem aos tais antropólogos), estamos querendo criar essas crianças”.

Os próprios índios estão pedindo ajuda e querem a evolução de sua cultura. O próximo índio a fala diz o seguinte: “É necessário que alguém poderoso se levante e interfira nessas práticas da nossa cultura, que não são boas, que são prejudiciais para a pessoa humana”. Esse “alguém” não é um messias salvador, como gostam de pintar idiotas úteis de toda parte, mas a própria sociedade; somos nós que devemos nos levantar e dar um basta na influência desses antropólogos da morte e dos multiculturalistas e rejeitar seus discursos. Rejeitá-los e lutar contra essa corja instalada no poder, na FUNAI, em diversos órgãos, no legislativo, no executivo, no judiciário e ao nosso redor. Seja denunciando, em manifestações, nas ruas, de casa, onde for. Devemos deixar de lado a indiferença com os rumos do nosso país e ajudar nossa própria cultura a evoluir.

Por Roberto Lacerda Barricelli

Fontes:

Documentário de Sandra Terena – http://www.youtube.com/watch?v=vUGugohRnC8

Infanticídio Indígena (neste fica clara a posição de uma antropóloga em colocar o infanticídio como “um traço cultural” dos coitadinhos dos índios, mas mostra também como a livre iniciativa está ajudando a combater essa prática) – http://www.youtube.com/watch?v=cedWpJq33Nk

Mídia Sem Máscara – http://www.midiasemmascara.org/artigos/governo-do-pt/13717-brasil-tolera-infanticidio-indigena-denuncia-jornalista-australiano.html

Portal Questão Indígena – http://www.questaoindigena.org/2013/05/quebrando-o-silencio-sobre-o.html

P. A. Marangoni – http://pamarangoni.blogspot.com.br/2013/06/infanticidio-indigenaa-mentira-tem.html

Site do PSC – http://www.psc.org.br/comunicacao-psc/todas-as-noticias/2794-infanticidio-indigena-nao-e-cultura-e-crime-contra-crianca-diz-deputado-do-psc

Veja – Blog do Reinaldo Azevedo – http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/os-indios-a-cultura-da-morte-e-os-poetas-do-infanticidio-ou-ninguem-vai-dar-beijo-na-boca-para-salvar-os-curumins/

Anúncios

8 Comentários

Arquivado em Uncategorized

8 Respostas para “Brasil – Índios, Infanticídio e os Antropólogos da morte

  1. O estômago revira porque os antrópologos da morte aceitam infanticídio e água contaminada, ao mesmo tempo que não dizem nada sobre índio com smartphone e 3G.
    O artigo está tocante, Roberto, e muito sentido.

    • Acho que a política indigenista, de “deixar como está”, é assim, no sentido de manter os índios brasileiros na condição de aliados do governo. Por experiência própria, em conversas com militares brasileiros que serviram na região Amazônica, me disseram que a Amazônia, só é brasileira porque os índios querem. Não vou citar as imensas deficiências no plano de defesa do CMA, mas o fato, é que o Governo brasileiro, à décadas, faz de tudo para que nenhuma nação indígena resolva ter a brilhante ideia de declarar independência.
      Eu sei, em virtude da minha formação, que existe sim um fundo de verdade no chamado “projeto de internacionalização da Amazônia”, e que o governo, e principalmente o exército levam isso a sério.
      Por essas e outras que o governo brasileiro, independente de sua ideologia de momento, mantêm o mesmo modus operandi, na política indigenista, por que ela funcionou, tendo-se em vista esse objetivo.
      Graças a isso, os povos indígenas “desfrutam” de seu isolamento cultural, invadem propriedades particulares, organizam pedágios ilegais e outras ações do tipo. sempre com a conivência do Governo e do Exército e, é claro, uma classe de esquerdistas conseguem encontrar uma maneira de se “vangloriar” dessa estratégia.

  2. Goncalo

    O infanticídio indígena existe sim, mas é importante dizer que esse documentário de onde foi extraído essa foto foi provado ser falso. O site e-farsa postou uma matéria sobre. Mesmo sabendo da veracidade do que é o infanticídio indígena acho que usar essa fraude como referencia somente diminuirá a importância do que foi postado aqui,.

    • E é ainda mais importante ter meio cérebro e olhar as fontes ao final do artigo antes de falar besteira. A foto é ilustrativa e o filme Hakani não foi utilizado como fonte.

      Na próxima, tenha a inteligência e honestidade de clicar nas fontes mencionadas ao final do artigo antes de postar besteira e passar vergonha.

      • Goncalo

        Ok, você não utilizou o documentário, desculpe pela minha falha. Eu realmente achava que o link do youtube era sobre o documentário. A foto em destaque me induziu ao erro e pode induzir outros também. Da próxima vez também tenha a delicadeza de tratar melhor um leitor.

      • Aos leitores que não prestam atenção aos artigos e comentam erroneamente antes de verificar não dispenso delicadeza. Meu foco é naqueles que agem com responsabilidade e questionam antes de afirmar algo, seja concordando ou discordando. A correção é necessária para evitar erros semelhantes no futuro. Grato!

  3. Está foto, se é o que estou imaginando, passa a ser para mim a visão do inferno!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s