Fidel – O grande capitalista

FidelCapitalista

Enquanto Cuba empobrece às claras, o ditador Fidel Castro enriquece por negócios “obscuros”. Essa é a realidade da Ilha Prisão.

Como todo comunista que se preze, Fidel Castro adora o comunismo, desde que seja para o outros, pois para si só o melhor que o capitalismo pode proporcionar. Enquanto sempre pregou o comunismo para o povo, levando milhões à miséria, Fidel acumulou capital e vive como um “burguês”. Mas no caso do ditador não bastava se dono de um meio de produção, não, precisava ser dono da Ilha toda, ser o manda chuva.

Enquanto a pobreza é generalizada para a população, os produtos e serviços são ruins e caros, como os sucateados carros dos anos 50, Fidel anda de Mercedes-Benz e nas poucas aparições após “deixar o poder” está sempre vestindo Puma, Adidas ou até a “imperialista” Nike.

O que acabou em Cuba é a possibilidade de uma classe média, pois a elite apenas mudou dos empresários para os governantes. Uma elite branca, que governa a Ilha Cadeia com pulso firme. Foco na “elite branca” para não deixar cair no esquecimento o fato de que Ernesto Che Guevara, um dos (sic) heróis da revolução e maiores assassinos da história, era racista. Sim, ele inclusive disse que “o negro insolente e sonhador gasta seu dinheirinho em qualquer frivolidade ou diversão, ao passo que o europeu tem uma tradição de trabalho e economia”.

Mas voltemos a Fidel Castro.

Enquanto o salário do médico cubano no máximo chega a US$41 na Ilha, nesses 54 anos de “revolução” o capitalista Fidel Castro acumulou uma fortuna estimada em US$550 milhões, segundo a revista Forbes, publicação especializada.

Essa fortuna se deve a negócios “controlados pelo Estado”, mas claro que “o Estado” era e é Fidel Castro. Entre eles o Palácio de Convenções, próximo a Havana, o conglomerado Cimex (varejista) e a empresa Medicuba, que comercializa vacinas e produtos farmacêuticos produzidos em Cuba.

Fidel acumula capital, enquanto o cubano comum acumula dívidas no mercado negro, dificuldades e pobreza.

Parte da fortuna advém também da produtora de rum Havana Club, que foi vendida por US$50 milhões à francesa Pernod Ricard. Esse dinheiro foi parar no bolso de Fidel Castro, apesar da empresa se “estatal”. A verdade é que todas as empresas “estatais” cubanas são mais privadas que qualquer outra e estão sob o controle dos Castro.

O que realmente é estatal em cuba? Os serviços públicos ruins e o cidadão, sim, este também foi estatizado e é tratado com o mesmo desprezo que os setores de saúde e educação. Tanto que, em 1958, Cuba já tinha 80% de alfabetizados e o melhor índice de saúde da América (melhor que dos Estados Unidos) ficando à frente de países como França, Espanha e Itália em saúde e IDH. Atualmente o país ocupa a 59ª posição no Ranking Mundial do índice de Desenvolvimento Humano e segundo a OMS através do World Health Statistics 2013 caiu nas estatísticas de saúde para além da 40ª posição.

Mas Fidel continua bem e consumindo os produtos importados, bons e mais baratos. Diz ao mundo que Cuba tem a cura do câncer e o único ditador que se tratou lá dessa doença, morreu.

Mas o que importa para Fidel é continuar sendo sustentado pelos “amigos” bolivarianos, socialistas, comunistas e petistas com empréstimos polpudos feitos com o dinheiro do contribuinte desses países (como Brasil e Venezuela) e que provavelmente não voltarão. No caso da Venezuela, através da balança comercial, onde esta vende petróleo mais barato em troca de médicos caros e níquel inflacionado.

No fim, Fidel veste suas roupas importadas, senta em uma poltrona confortável em sua mansão, toma seu rum francês produzido em Cuba, ou um uísque importado, fuma seu charuto dominicano (que está melhor que o cubano) e relaxa, contando os dólares que engordam seu polpudo patrimônio.

Por Roberto Lacerda Barricelli

Fontes:

Folha de São Paulo:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u94408.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/08/1330787-salario-para-medicos-em-cuba-nao-costuma-passar-de-r-100.shtml

Estadão Dados – http://blog.estadaodados.com/ranking-do-indice-de-desenvolvimento-humano-idh-2013/

Livro – O verdadeiro Che Guevara, de Humberto Fontova

Documentário – Guevara: A anatomia de um mito, de Pedro Corzo

Anúncios

20 Comentários

Arquivado em Uncategorized

20 Respostas para “Fidel – O grande capitalista

  1. A descoberta da roda esse texto. O problema das pessoas é idealizar Che era um guerrilheiro, tinha suas crenças racistas, assim como muitos outros idolatrados tenham crenças absurdamente iguais. Isso não anula a sua importância, só confirma que ele era um ser humano regido por crenças estúpidas como todos nós. Fidel é safado e comunista, essa é a grande novidade, capitalistas e safados já tem demais por ai. Cuba é um país miserável comunista e existem tantos outros países capitalistas igualmente miseráveis. Qual a grande diferença?? queria saber

    • Não existem países capitalistas e miseráveis. Basta olhar o Índice de Desenvolvimento Humano 2013 e notar que os capitalistas como Austrália, Hong Kong, Singapura e Suíça tem rendas per captas maiores que a maioria e IDH superior, com menos pobreza e desigualdade relativa menor. Enquanto isso os países socialistas, social democratas, comunistas, ou seja, governados pela Esquerda, são miseráveis, possuem IDH menor, mais pobres, maior desigualdade relativa, ou no mínimo não possuem estabilidade, vivendo constantemente com crises. Exemplos: Cuba, Coreia do Norte, Laos, Zimbábue, Brasil e África do Sul.

      Che Guevara foi um assassino cruel e sanguinário, tanto, que quando assumiu o poder mandou fuzilar 15 mil pessoas inocentes, entre as quais haviam muitos escritores, civis, crianças, mulheres (inclusive grávidas), idosos, gays (declarados como inimigos), aleijados (declarados como parasitas) e pessoas cujo “crime” foi apenas discordar do regime. Ele assumiu isso em conferência da ONU nos EUA e em carta ao próprio pai, na qual diz que tomou gosto por matar.

  2. Estéfani Pacheco

    E o que você tem a dizer sobre o Brasil? Capitalista e desigual. Qualquer sistema pode trazer a miséria… depende das pessoas que vivem nele e de quem o rege. Sempre que existir um sistema e pessoas “governando” outras, haverá desigualdade. Seja socialista, comunista, capitalista… Não precisamos de sistema, quando este favorecer somente a si próprio (fora o pão e circo que temos que engolir).

    Dá uma olhada:

    http://www.implicante.org/blog/jornal-espanhol-se-assusta-com-o-quanto-dilma-gasta-dinheiro-do-brasileiro/?fb_action_ids=376350622467550&fb_action_types=og.likes&fb_ref=addtoany&fb_source=other_multiline&action_object_map=%5B154500421377364%5D&action_type_map=%5B%22og.likes%22%5D&action_ref_map=%5B%22addtoany%22%5D

    • O Brasil é capitalista? Desde quando? Temos a maior carga tributária e a maior regulamentação do mundo e estamos em 100 no Índice de Liberdade Econômica. O Brasil é das esquerdas e elas guardam o capitalismo para si.

      Enquanto você se preocupa com a desigualdade relativa, que nos países capitalistas e liberais é menor, eu me preocupo com a pobreza absoluta, que nos mesmos países é quase inexistente.

      • Estéfani Pacheco

        Pensa assim pois tem padrão de vida. Não precisa ver ninguém ficando contente por receber “migalhas” como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Minha Casa Melhor… o governo nos dá o pão e circo e exige que nos calemos para os demais problemas e irregularidades.
        Mas não me admira, criticando Fidel da maneira que criticou, pode-se esperar tudo.

      • Fidel mandou assassinar 15 mil pessoas por simplesmente discordarem do regime dele (ordem em conjunto om Che). Fidel proibiu as roupas importadas em Cuba, mas possui casacos da Nike, Puma, Adidas e Lacoste. Se Cuba fosse boa, os cidadãos de Miami fugiriam para lá.

        A ditadura cubana já matou mais de 100 mil pessoas e implantou a eugenia como política de Estado. O povo de Cuba é pobre enquanto seus governantes são ricos. E passam necessidade, tanto, que a OMS pediu ao país que aumentasse a “ração” diária dos cubanos devido ao alto índice de desnutrição.

        Quem disse que tenho alto padrão de vida? Você não me conhece, não fale sobre aquilo que não sabe. O Brasil é um país dominado pela esquerda e com pobreza absoluta descomunal, enquanto os países liberais, comk alto índice de liberdade individual e econômica, estão todos nos topo dos Rankings de renda, IDH, educação e saúde. Uma análise simples é mais que suficiente para perceber que os países mais livres possuem menos desigualdade relativa e pobreza absoluta mínima, enquanto os menos livres possuem miseráveis na pobreza absoluta e concentração da maioria da riqueza nas mãos de poucos. Leia os artigos da série “Liberdade Econômica x Socialismo” e verá o quão clara é essa relação entre liberdade econômica e individual x padrão e qualidade de vida.

  3. O capitalismo por si só promove a desigualdade essa é a sua essência. Não sou defensora do comunismo, aliás a essência do homem é ser individualista sempre, jamais poderíamos viver em um sistema em que todos seriamos iguais e teríamos as mesmas coisas. Nós precisamos de bens matérias para sentir que somos superiores a determinado grupo, faz parte da nossa auto estima. Disseram aqui que Fidel matou 15 mil pessoas que eram contra o seu regime, assim como os EUA mataram no Iraque em nome da “libertação e democracia.” O capitalismo mata assim como o comunismo. Falam tanto do pavor da esquerda e dos genocídios cometidos mas esquecem que o sistema capitalista e seus representantes fizeram o mesmo. Você citou alguns países capitalistas que estão com excelência em qualidade de vida, uma pequena minoria de países. Na América latina quase todos os países são capitalistas, posso citar o exemplo do México e veja a sua atual situação. Capitalismo não significa qualidade de vida.

    • A Guerra do Iraque, como o nome diz, foi uma Guerra. O Regime Comunista de Mao, na China, matou 60 milhões de pessoas, o de Stalin, na URSS, matou mais de 7 milhões e o de Hitler (sim, o Nazismo é baseado no marxismo) matou mais de 30 milhões.

      O capitalismo não mata ninguém e a desigualdade é relativa, por exemplo, na Suíça, Hong Kong, Singapura, Austrália e Nova Zelândia, os mais capitalistas do mundo, a desigualdade relativa é alta, pois enquanto muitos ganham no mínimo entre US$34 mil ao ano até US$60 mil ao ano, há executivos ganhando até US$7 milhões. Porém, quem ganha no mínimo 34 mil dólares/ano vive melhor que a Classe Média no Brasil, lodo, a desigualdade relativa (existente em todas as sociedades) não é um mal.

      O verdadeiro mal reside na pobreza absoluta, como temos na Coreia do Norte (7 milhões passando fome), Cuba (2 milhões passando fome), Laos (mal sabem o que significa alimentação) e Zimbábue (o que é comida?). E as populações mal chegam a 25 milhões de pessoas (quase 10x menos que no Brasil).

      Basta efetuar uma análise simples:

      1- Abra o Estadão Dados e pesquise Ranking do Índice de Desenvolvimento Humano 2013
      2- Jogue no Google Index of Economic Freedom e abra a página da Heritage Foundation (Índice de Liberdade Econômica)
      3- Compare as duas tabelas e verá que os países mais livres são os menos pobres e os menos livres e repressivos são os mais pobres.
      4- Verá que quanto mais livre um país, maior seu IDH e Renda.

      Se depois disso ainda achar que o capitalismo de Livre Mercado é danoso para a sociedade, então que pena, você já está impregnada de ideologia anticapitalista e com a mente fechada para absorver e compreender a verdade dos fatos.

      • Estéfani Pacheco

        Acho que você que já está adentrado ao capitalismo e não vê outro meio a não ser este. Exclui-se classificações… socialismo, comunismo, capitalismo, seja o que for, somos humanos. Pensamento utópico, mas acreditar em um mundo sem sistema, é tanto utopia quanto acreditar que o sistema capitalista é igual, ou que ao menos satisfaz a todos. Satisfaz a quem não se importa em perder a vida trabalhando, estudando, para ser um padrão. Só mais um engravatado com os mesmos pensamentos, voltados para o mesmo objetivo: progresso. Ou então, mais um João, José, Maria… que sobrevive com pouco a vida inteira e mesmo assim se esforça para manter seus filhos com este “padrão” social (roupas da moda, cursinhos, escolas…). O capitalismo é bom para quem está bem. Para quem não se importa em ser padrão.

      • Leia de novos meus comentários. Você não sabe a diferença entre desigualdade relativa e pobreza absoluta certo?

        Eu explico! Enquanto nos países capitalistas a renda mínima per capta/ano é US$34 mil (Austrália) e US$60 mil (Singapura e Hong Kong) há pessoas que ganham milhões ao ano. Isso é desigualdade relativa, porém, a desigualdade não mata ninguém, posto que nesses países os “pobres” vivem melhor que a Classe Média brasileira (por exemplo).

        O que mata é a pobreza absoluta, as pessoas que estão na miséria e passam fome (como os 7 milhões na Coreia do Norte e os 2 milhões em Cuba).

        Capitalismo não é um sistema perfeita (perfeição sequer existe), porém, é o único que permite diminuição drástica da pobreza absoluta e que a desigualdade relativa não seja fator determinante nos problemas sociais.

        Compare o Ranking do Índice de Desenvolvimento Humano 2013 (Tem a tabela no Estadão Dados) e o Índice de Liberdade Econômica 2013 (Index of Economic Freedom – Heritage Foundation) e verá que enquantos os países mais livres e capitalistas possuem os melhores IDHS, Expectativa de Vida e Renda per capta, os menos livres e repressivos são pobres e/ou miseráveis, com expectativa de vida baixa e IDH baixo.

        Também pode comparar o IRBES (Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade) e verá que os países mais livres e capitalistas possuem serviços (inclusive públicos) muito melhores que os demais.

        É simples, o capitalismo é o melhor sistema, tem seus defeitos como todos, mas que não abalam nem de longe os benefícios que ele proporciona.

        Esses são os números, os fatos. Você pode ignorá-los e continuar repetindo mentiras para si mesma, ou aceitar a realidade e trabalhar a favor da melhoria constante desta. A escolha é sua. Segue os links:

        IRBES – https://www.ibpt.org.br/img/uploads/novelty/estudo/787/ESTUDOFINALSOBRECARGATRIBUTARIAPIBXIDHIRBESMARCO2013.pdf

        IDH – http://blog.estadaodados.com/ranking-do-indice-de-desenvolvimento-humano-idh-2013/

        ILE – http://www.heritage.org/index/ranking

      • Estéfani Pacheco

        Se não creio no capitalismo, por que raios acha que vou acreditar em dados obtidos por capitalistas? Já viu cristão falar mal de cristo?

        Não estudo economia… estudo história.. e acredito que existia muito mais ‘qualidade de vida’ naquele tempo do que existe hoje, com esse capitalismo, visando a evolução e o progresso do material. Nossa mente, nossos costumes e pensamentos, continuam os mesmos da Idade Média. Só visamos o material. Evolução mental é lenda!

        Não se mede qualidade de vida por estatísticas… é vivendo que se aprende.

      • Dados obtidos por capitalistas? Ou seja, você acaba de assumir que “não acredita” porque não está de acordo com a sua opinião.

        Pela sua lógica, só são válidos dados que estejam de acordo com o que você acredita. É muita desonestidade intelectual para uma pessoa só.

        E porque eu acreditaria em dados apresentados por uma anticapitalista? (Pela sua lógica). Ora, os dados são da UNICEF, ONU, OMS e Heritage, que não são capitalistas (na verdade estão cheias de esquerdistas). Não é uma questão de “acreditar”, mas de ter um mínimo de honestidade e analisar os fatos.

        Você negar os fatos e dizer que só os dados que estão de acordo com a sua opinião não mudam a realidade dos mesmos.

        Só vivendo que se aprende? Bem, você vive em um país governado por socialistas há quase 11 anos e dos mais repressivos economicamente e socialmente do mundo, como então você pode saber algo do capitalismo sem vivê-lo (de novo, pela sua lógica)?

        É simples, você pode não acreditar na realidade, mas ela continuará sendo a realidade. Sua opinião sem nenhuma base, fatos, dados, números, argumentos, absolutamente nada, é fraca e desprovida de razão.

        Pode continuar com seu discurso emocional, mas a razão continuará certa.

        Você estuda história e nega os fatos históricos? Ora, se dados e estatísticas não são válidos, como você pode comparar a idade média ou qualquer outro período com o atual, ou anteriores?

        Desculpe, mas você pode estudar o quanto for e não obterá conhecimento nenhum devido a ideologia que impregna de tal modo sua visão que não consegue enxergar o que está diante de você. Uma pena!

  4. Estéfani Pacheco

    Não gosto de capitalismo. Acredito que para plena evolução, precisamos de algo totalmente novo. Todos sistemas já provaram sua ineficiência. Ou estamos errando, generalizando leis para um país inteiro (o que trás as desigualdades), ou então… a utopia, não existir sistema!

    Precisamos mesmo de alguém nos dizendo o que fazer?

    • Capitalismo só existe aliado à liberdade individual, ou seja, onde nós tomamos nossas decisões e arcamos com as consequências destas, não havendo ninguém para nos dizer o que fazer. Seu argumento é inválido e mostra seu desconhecimento sobre capitalismo e livre mercado.

      A perfeição e o fim da desigualdade são utópicos. Se uma pessoa ganha 3 mil ao mês e outra ganha 60 mil, há a desigualdade relativa, mas ambas vivem sem passar necessidade (desde que saibam utilizar o recursos que possuem com responsabilidade). É o que ocorre nos países mais capitalistas como Hong Kong, Singapura, Austrália, Nova Zelândia e Suíça.

      Agora, se uma pessoa ganha R$100 ao mês há a pobreza absoluta, pouco importando quanto os demais ganham, visto que isso não alterará a realidade miserável desse indivíduo.

      A não existência de um sistema significaria a existência de um sistema onde não há sistema. É utópico e ilógico.

  5. Idelson

    Parabéns pelo texto, quando era moleque eu estufava o peito para dizer que era de esquerda, até que um dia no terceiro ano tive que fazer uma redação sobre o assunto tendo que falar tanto os pontos positivos quanto os negativos, foi ai que percebi minha total ignorância, pois eu (e muitos esquerdistas de hoje) não sabia quais os pontos negativos, tinha fechado meus olhos para os aspectos ruins e abertos apenas para as boas…
    Depois de ter pesquisado muito e ter colocado tudo na balança percebi que a teoria é lindaaaaaa maravilhosa! maaaaas na práticaaa!

    Lembrando que até hoje não tivemos NENHUM comunismo de fato, apenas socialismo, que seria uma transição para o comunismo, tem até quem diga que nem o socialismo ainda existiu…

    • Idelson.

      Temos comunismo sim, só que o sistema não funciona. O comunismo diz que 2+2= 5, mas quando é colocado em prática o resultado é 4 e não tem como ser diferente. Por isso muitos dizem que “não existiu comunismo”, pois querem insistir na teoria de 2+2=5.

      O comunismo é impraticável e sempre leva a situações como na URSS, Cuba, Laos, Zimbábue e Coreia do Norte (isso sem contar a China Maoísta que matou 60 milhões de pessoas).

      • Idelson

        O problema é que a palavra “comunismo” tem varias definições diferentes, a que eu me referir tem como duas principais pautas:
        1- A ausência de um Estado e;
        2- Ausência de classes sociais (igualdade).

        (Até hoje não vir isso acontecer, podem até terem tentado mas jamais conseguiram, como você mesmo disse, não funciona, se nunca funcionou nunca teve de fato…).

        Já o socialismo seria uma transição para o comunismo, foi o que aconteceu na URSS, porém todos nunca conseguiram alcançar o comunismo em sua essência (e alguns nem queriam ou querem, como Cuba).

        Socialismo, Comunismo e Anarquismo, muito confundidos entre si por ter ideologias parecidas mas com algumas características diferentes…

      • Se não funcionou é porque teve, mas não deu certo.

        O socialismo veio depois da URSS e não antes, eles eram comunistas, como o são Cuba, Coreia do Norte, Laos e Zimbábue. O socialismo também não dá certo, assim como o comunismo. Se algo não dá certo em diversas tentativas de pessoas diferentes é porque esse algo não presta, simples assim.

        Realmente, não há ausência de classes sociais, por que o Estado é formado por uma elite rica e os cidadãos são pobres, logo, existe duas classes ao menos.

  6. Os países mais desiguais do mundo foram (ou continuam sendo ?) os países comunistas, onde vc tem o BOSS, depois o POLITIBURGO e na base da piramide os escravos (a população em geral) que recebe migalhas apenas para sobreviver e servir aos dos andares de cima da piramide.

    O comunismo assim como o socialismo não acaba com a luta de classes. Ele a INTENSIFICA e IMPEDE de quem está na base da piramide suba, pois é um sistema que premia a inépcia, desonestidade, rancor e inveja.

    E onde qualquer tipo de reação contra o regime é punido com o genocídio, assassinato e fuzilamento.

    Defender este tipo de escrotidão é colocar na testa um selo de IDIOTA ou no caso de políticos de esquerda, PILANTRAS.

    Parabéns pelo blog e pela clareza das opiniões baseadas em fatos e com argumentos lógicos.

    • Boa tarde Alexandre,

      Seu comentário é um dos mais assertivos que postaram neste Blog. Concordo plenamente com você, pois comunismo e socialismo incentivam a violência entre as classes, gêneros, etnias, etc. Não há regime mais nefasto que esses.

      Abraços

      Roberto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s